No dia 30 de novembro de 2019 foi realizada a atividade da Jornada Fotográfica “Memorias e Vivências Negras na Cidade Tiradentes” perpassou por diversos pontos históricos que afirmam as vivências da negritude, suas lutas e resistência. Atividade pensada para o mês da Consciência Negra visando a importância dos coletivos que contribuem para salvaguardar o histórico da região e que sofrem com um verdadeiro genocídio do Estado, tal qual reafirmado com a ação da polícia em Paraisópolis onde foi assassinado nove jovens no dia seguinte da nossa atividade.

A Jornada foi promovida pelo coletivo de pesquisadores periféricos do CPDOC Guaianás, com a parceria dos coletivos da Região como: Pombas Urbanas e suas memórias artísticas, a Posse de Hip-Hop Aliança Negra, a primeira na periferia da cidade de São Paulo, o Núcleo de Esquerda Força Ativa e suas vivências na Biblioteca Solano Trindade, o MOCUTI (Movimento Cultural da Cidade Tiradentes) narrando a sua militância histórica na região, o Pai Jair e sua contribuição social e na religião de matriz africana, Candomblé.

Agradecemos também a comunidade da Igreja Cruz das Almas, principalmente a Dona Eronice, que narra a história da igreja datada entre os séculos XIX e XX e a presença dos alunos da Escola Municipal Osvaldo Aranha

Contamos com cerca de 30 participantes, que contribuíram com a nossa Jornada Fotográfica do Projeto Passagem Funda, fomentado pela Lei de Fomento à Cultura das Periferias.