A Jornada do Patrimônio 2021 acontecerá neste final de semana (11/09 e 12/09) e tem como objetivo proporcionar reflexão sobre lugares simbólicos que são ou foram suportes das ações dos diversos grupos sociais que compõem a história da cidade de São Paulo. É o terceiro ano que o CPDOC Guaianás participa da Jornada do Patrimônio, agora com uma mistura de atividades presenciais e atividades online. Bora chegar junto?
—————————————–
🟦 ATIVIDADES PRESENCIAIS:

📸 Roteiro: A Horta em meio a COHAB de Itaquera

O roteiro envolve o debate sobre o complexo urbano do Conjunto habitacional José Bonifácio, conhecido como COHAB 2, que se desdobra a partir da COHAB 1 e do loteamento da fazenda do Jardim Morgante. Datado da década de 1980, com pouca estrutura se desenvolveu a partir da organização dos moradores como com a Associação dos Mutuários do Conjunto José Bonifácio. Nesse roteiro articulamos um espaço verde e de referência de resistência com a horta da dona Severina que luta em meio aos prédios oferecendo alimento orgânico para os moradores da Cohab 2.
🟢 Ponto de Partida: R. Murmúrios da Tarde, 211 – Jose Bonifácio
🟢 Classificação Indicativa: Livre
🟢 Sábado, dia 11/09, às 9h

 

📸 Jornada Fotográfica: Memórias e Patrimônios de Guaianases

Neste sábado, vamos fazer uma caminhada fotográfica pelo Centro de Guaianases explorando os patrimônios do bairro a partir da discussão das suas histórias, casos e memórias. Esse roteiro tem como proposta fomentar e se apropriar da história do bairro e de suas manifestações culturais como fonte de transformação e construção de identidades.

📌 Ponto de Encontro: Catraca da estação de Guaianases
📌 Data e horário: 11/09, às 15h.
Inscreva-se para participar encaminhe nome completo e contato para o e-mail ou Whatsapp!
📧 E-mail: cpdocguaianas@gmail.com 🟢 Whatsapp: (11) 98454-9081
🟦 ATIVIDADES ONLINE:
📸 Live “Do barro se faz a cidade: as histórias, memórias e cheiros das antigas olarias de Lajeado/Guaianases”
📌 Data e horário: 11/09, às 15h,
📌 Live no canal do Youtube do CPDOC Guaianás.
Os bairros da periferia Leste da cidade de São Paulo (Lajeado, Guaianases e Cidade Tiradentes) possuem um relevo acidentado com morros e baixada entrecortados por rios e córregos. Essa característica física permitiu o desenvolvimento de fábricas de tijolos de barros, denominadas de olarias.
Este tipo de oficina já era conhecida pelos povos indígenas, desde antes da chegada dos portugueses. Também muito difundida pelos indo-europeus desde o período Neolítico, portanto, considerada uma das técnicas mais antigas da humanidade. Para a história da formação da metrópole paulistana, os tijolos que eram cozidos nas olarias do extremo leste serviram de paredes para a maioria das construções dos prédios e casarões da região central.
Desta forma, a proposta desta palestra é evidenciar a importância destas olarias para a urbanização da cidade de São Paulo, na formação dos bairros e destacar as memórias e lembranças dos antigos trabalhadores e moradores vizinhos destas fábricas. Depois, mostrar como as olarias de barro foram desaparecendo da paisagem sendo substituídas pelas fabriquetas de tijolos de cimento, assim levantando a discussão sobre as formas de se construir prédios e casas atualmente.
Durante o percurso da palestra, vamos conhecer um pouco das principais olarias que foram presentes nestes três bairros, identificando os lugares que elas existiram, partindo da única estrutura que ainda “continua de pé” há mais de 70 anos: a Olaria da Chácara das Flores, que é ainda pouca reconhecida dentro dos catálogos de patrimônios da capital, porém sempre referenciada pelos moradores da região.

 

📸Live “Memórias dos sambistas de São Mateus”
📌 Data e horário: 11/09, às 17h,
📌 Live no canal do Youtube e no Facebook do CPDOC Guaianás.
São Mateus tem notoriedade na cidade de São Paulo pelos sambas produzidos em seus terreiros, bares, quintais e comunidades de samba. Levando isso em consideração, trabalharemos o samba como um dos principais elementos culturais da história do distrito apresentando características da história do ritmo no território e da metodologia da história oral articulando, nesta palestra, entrevistas com os integrantes da Comunidade Samba da Maria Cursi e do Instituto do Samba de São Mateus. Os convidados tratarão de sua história no bairro e das suas atividades nos grupos.
📸Live “40anos da Vila Primeiro de Outubro: Memórias de luta e resistência no contexto da Ditadura Militar”
📌 Data e horário: 11/09, às 19h,
📌 Live no canal do Youtube e no Facebook do CPDOC Guaianás.
Em 1981, em meio à Ditadura civil-militar, a população ocupa os terrenos da Vila Primeiro de Outubro no bairro do Lajeado – Zona Leste – e fazem resistência popular para manter suas moradias. A ocupação que se tornou referência, uma das primeiras na cidade de São Paulo, será a origem de uma série de ocupações que passam a ocorrer e que vão ser chamadas de “invasões”. As estratégias de resistência são as mais diversas, vão desde soltar fogos para avisar a população da chegada da polícia até colocar mulheres e crianças deitadas no chão. O enfrentamento do povo com a polícia terá como marco a ocupação dos 150 armados com pedras, barras de ferro e de madeira no meio da Avenida Dom João Nery. Neste confronto a morte de Adão Manoel que se tornará um símbolo das lutas do movimento de moradia. Após 40 anos dessa ocupação, vamos revisitar os fatos ocorridas e trazer a memória ainda viva desse movimento